KALE \\ Companhia de Dança: Heterotopia e Tal-Dew

Heterotopia e tal dew tmb 2016 1 710 300
25 Novembro 2016
Horário:

AUDITÓRIO | 21H00

Informação adicional:

HETEROTOPIA e TAL-DEW
de Eldad Ben-Sasson

 

HETEROTOPIA

O Observador.

Enquanto as pessoas observam um tigre no Jardim Zoológico, o ambiente da música e do circo acompanha-as. O leopardo continua um animal. Na visão da realidade que é criada ao seu redor o animal reflete-se apenas a si próprio.

Heterotopia (héteros – “de outros, outros, diferente “topos” - lugar) é um conceito desenvolvido por Michael Foucault para descrever a forma como os espaços definidos que circunscrevem o sujeito (por exemplo, o individuo em sociedade) podem ter impacto no poder do indivíduo, desapossando-o do seu poder e, às vezes, até mesmo da sua identidade.

Eldad Ben-Sasson

Coreografia | Eldad Ben-Sasson
Música | Erik Satie - “The three gymnopédies”
Operação de luz | André Rabaça
Interpretação | Dinis Santos
Produção | KALE Companhia de Dança
DURAÇÃO DO ESPETÁCULO APROX.: 12 MINUTOS

 

TAL-DEW

O diálogo é uma troca conversacional, escrita ou falada, entre duas ou mais pessoas.
A partir da minha perspetiva sobre os diálogos interculturais no mundo de hoje e usando diferentes formas de diálogo físico e verbal, tento reconhecer as memórias no movimento e relacionar-me com elas.

Em que medida é que a nossa experiência e as nossas tradições influenciam a maneira como nos movemos (uma vez que desejamos estar juntos no mesmo sítio por um pequeno período de tempo)?

Em que medida estamos conscientes do comportamento do movimento sem negar as suas desvantagens?

Num diálogo, desejo manter a unidade de dois aspetos cognitivos: o intencional e o estado de espírito (mente e coração, razão e intuição) não só na comunicação racional mas também na espontânea. Esta comunicação que se relaciona com a linguagem corporal, com os sentidos, as emoções, sentimentos, imaginação, intuição, etc.

Eldad Ben-Sasson

Coreografia | Eldad Ben-Sasson
Sonoplastia | Eldad Ben-Sasson
Operação de luz | André Rabaça
Ensaiadora | Sara Moreira
Intérpretes | Ángél Melián, Catarina Godinho, Dinis Santos, Francisco Pinho, Joana Couto, Mariana Malojo, Michael De Haan, Thamiris Carvalho e Zdenka Kerlesova
Produção | KALE Companhia de Dança
DURAÇÃO DO ESPETÁCULO APROX.: 30 MINUTOS

AUDITÓRIO • M/12 • 6,00 EUROS

 

A KALE Companhia de Dança surgiu inicialmente da necessidade e vontade de proporcionar experiência profissional e referências aos jovens bailarinos formados no Ginasiano Escola de Dança. A partir de 2013, a KALE iniciou uma nova etapa no seu percurso, profissionalizando-se com um novo ciclo de criação de peças originais encomendadas a coreógrafos convidados. Os bailarinos são escolhidos por audição aberta e contratados por projeto. Já trabalharam com a KALE os coreógrafos Marcelo Ferreira, Paula Moreno, Joclécio Azevedo, Isabel Ariel, Giselle Rodrigues, entre outros. Este ano, o coreógrafo convidado foi o israelita Eldad Ben-Sasson que criou para a Companhia Tal-Dew, estreada em maio no âmbito do Festival DDD – Dias da Dança. Neste momento, está já em fase de ensaios Harmida, de Elisabeth Lambeck.
Desde 2014, a KALE passou a estar sediada no Espaço Sacramento, na belíssima zona histórica da ribeira de Gaia, que engloba também o Armazém 22 onde a Companhia apresenta regularmente os seus trabalhos.
A KALE, que ao longo dos anos já se apresentou em Espanha e no Brasil, tem a sua próxima apresentação internacional agendada para França, em 2017, no âmbito do festival Regards Croisés.

Kale Companhia de Dança, Novembro 2016

 

Eldad Ben-Sasson estudou na Escola de Dança Bat Dor, em Israel.
Trabalhou na Batsheva Dance Company, sob a direção de Ohad Naharin, e na Vertigo Dance Company, sob a direção de Noa Wertheim e de Adi Sha’al.
Colaborou com coreógrafos reputados como Mats Ek, Sharon Eyal, Alexandra Waierstall, Paul Norton, Yoshifumi Inao, Orjan Andersson, Michael Getman, Noa Dar, Yossi Berg, entre outros.
Tem sido convidado para dirigir workshops em companhias de dança em Israel e por todo o mundo.
Começou a trabalhar como coreógrafo em 2000 e, em 2009, com a peça “4 of a kind”, ganhou o primeiro prémio de coreografia e o prémio de melhor bailarino na 2ª Competição Internacional de Coreografia de Copenhaga.
Os seus trabalhos têm sido apresentados internacionalmente e, como intérprete, tem sido convidado a participar em diferentes projetos.